CRM profundo??? Que raios é isso?

Lendo alguns artigos na internet um me chamou a atenção, dentro do título do que o autor defendia ele dizia que “era preciso um CRM profundo”.
Tomei o cuidado de ler o artigo até o final, para compreender qual era o foco da afirmação. Não vou aprofundar a respeito do artigo, apresentarei argumentos apenas sobre o contexto no qual me dedico diariamente, gerenciar o relacionamento com o cliente. Este é o ofício de tomar decisões a partir de medidas, quantidade de interações, que nossa empresa, todos envolvidos no atendimento, tem com os clientes, ou potenciais clientes, medir quando foi a última vez que nossos vendedores contataram o cliente, quantas ligações, e-mails, reuniões foram feitas?
Colher essas informações não é fácil sem recurso de uma plataforma de trabalho, é preciso uma ferramenta de uso diário para toda equipe, que permita facilidade e velocidade para registrar as interações, então podemos, com os dados, gerar informações para avaliar e tomar decisões, no entendimento acadêmico, e prático, isto é chamado “gerenciar”.
Tenho escrito artigos sobre a importância de administrar a área comercial com base em processos e procedimentos formalizados no dia a dia, partindo da coleta de dados, defendo que o registro de cada ligação, e-mail, reunião ou tarefa realizadas é de suma importância para entender como está a área comercial. Evitando o gerundismo, e da forma genérica de esboçar um caminho para se vender mais, volto ao bom e velho exemplo.
Quantas ligações cada pessoa da sua equipe faz por dia?
Destas, quantas são para conversar com novos potenciais clientes, quantas se destinam a negociar fechamento de pedidos, e por fim quantas são para realizar follow-up das propostas?
Por mais simples que estas perguntas possam parecer, convido o leitor para avaliar o quanto de esforço será necessário para respondê-las no seu dia a dia.
Quando desenvolvemos o Simple Pack CRM pensamos em como responder cada uma dessas perguntas, baseamos todo o fluxo do nosso trabalho na coleta de dados, centralizando, organizando e automatizando o processamento informações confiáveis, para que seja possível gerenciar e tomar decisões mais assertivas.
Terminando este artigo devo voltar ao título realizar um exercício de entendimento do que nos trouxe até aqui, quando não se tem dados para compilar em informações para poder tomar decisões, então faz todo sentido pensar que o “CRM deve ser profundo”. Sem informação não é possível administrar, sem administração e ciência tudo é mais difícil e complicado.